Câmara explicou aos moradores a empreitada em curso de reabilitação total do Bairro do Falcão
22-01-2018

Prossegue o programa de obras de reabilitação total do Bairro do Falcão, em Campanhã. A decorrer está a fase da intervenção que engloba os blocos 3,4,6 e 8, bem como a Associação Cultural e Desportiva do Falcão, num investimento municipal a rondar os 2 milhões de euros.


Como vem sendo hábito em projetos similares, a Câmara do Porto promoveu uma sessão com os moradores para apresentação da empreitada. Perante um auditório cheio, na Junta de Freguesia de Campanhã, o presidente da autarquia, Rui Moreira, o vereador da Habitação e Coesão Social, Fernando Paulo, e responsáveis de obra expuseram os pormenores da intervenção e deram os esclarecimentos necessários.
Os trabalhos contemplam a requalificação de todo o "envelope" dos edifícios, incluindo a reabilitação de fachadas e cobertura - com isolamento térmico e acústico, designadamente através da colocação de vidros duplos; instalação de coletores de energia solar, para aquecimento de águas; aplicação de sistemas de exaustão e ventilação em casas de banho e cozinhas.


Esta fase, que tem um prazo de execução previsto de 420 dias, contempla também a substituição dos vãos envidraçados exteriores e respetivos estores; encerramento e tratamento da envolvente exterior e interior das caixas de escadas coletivas; renovação das instalações elétricas e de telecomunicações; fornecimento e montagem de rede de gás natural, até à entrada de cada habitação; e reabilitação do sistema de drenagem de águas pluviais, entre outras operações.


O complexo habitacional, construído nas décadas de 70/80 e desenhado pelo arquiteto Rui Paixão, já se encontra em obra, prevendo-se que até ao final do 2018 estejam reabilitados os seus 15 edifícios. Serão também intervencionados os espaços públicos envolventes, com implementação de soluções que garantam maior segurança e mobilidade, lugares ajustados para estacionamento e melhoria da iluminação pública.


O Bairro do Falcão é constituído por 397 fogos onde moram, atualmente, quase 900 pessoas.