Megaoperação contra o tráfico
10-07-2020

A PSP já efetuou 30 detenções no Porto, nomeadamente nos bairros do Viso, Pasteleira e Fonte da Moura, e em concelhos vizinhos, na sequência de uma grande operação de combate ao tráfico de droga, iniciada hoje, por volta das 6 horas da manhã. Foram realizadas 60 buscas domiciliárias e apreendidas quantidades consideráveis de estupefacientes, dinheiro e várias armas de fogo.


Na megaoperação, liderada pela PSP em concertação com outras forças de segurança, estão envolvidos cerca de 400 operacionais no Grande Porto, palco onde a ação decorre.

O último número dá nota de que já foram detidas 30 pessoas, o dobro do apontado pela PSP ao início da manhã. As buscas já permitiram também apreender droga, com as quantidades ainda por somar, além de armas de fogo (pistolas, caçadeiras e um revólver), bem como dinheiro alegadamente proveniente no tráfico.

A meio da tarde, a operação antidroga ainda não estava dada por concluída, pelo que o balanço só deverá ocorrer nesta sexta-feira, avançou à Lusa uma fonte da PSP.

Englobando mais de 60 buscas domiciliárias e não domiciliárias - num "conjunto vasto" de locais, dos bairros do Viso, Pasteleira e Fonte da Moura, no Porto, ao bairro de Vila D'Este, em Vila Nova de Gaia - a megaoperação policial contou ainda com intervenções que decorreram nos concelhos de Matosinhos, Gondomar, Valongo e Paredes, informou o comandante da Divisão de Investigação Criminal (DIC) da PSP do Porto, intendente Rui Mendes.
Segundo é também avançado, uma das buscas ocorreu numa habitação precisamente em frente à esquadra da PSP no Viso.

A operação visou "uma rede bastante coesa e bastante organizada", que se dedicava à venda direta de estupefacientes a consumidores do Grande Porto, assinalou ainda à comunicação social o comissário Paulo Varandas, também da DIC.

Leis de combate ao tráfico têm de mudar

Esta operação, classificada pela própria PSP "de grande envergadura", decorre de uma outra, realizada recentemente nos bairros de Pinheiro Torres e Pasteleira, que foi acompanhada por Rui Moreira.
Na ocasião, o presidente da Câmara do Porto sublinhou a importância deste tipo de ações policiais para apaziguar o sentimento de insegurança que reina entre os moradores e para marcar "a presença do Estado, da polícia e da segurança".

Aliás, Rui Moreira tem sucessivamente alertado para a necessidade de alterações legislativas no combate ao tráfico de droga, que reforcem os poderes das forças de segurança neste domínio. Segundo elas, estão inibidas pela Lei de travar inúmeras situações como o consumo de droga em espaços públicos.

Recorde-se ainda que o presidente da Câmara do Porto chegou a disponibilizar ao Estado as câmaras de tráfego adquiridas pelo Município, em outubro do ano passado, para auxiliar no combate ao tráfico da droga nos locais mais problemáticos.

"Neste momento existem na cidade cerca de 150 câmaras de controlo de trânsito. Não estão nem podem ser usadas para questões de segurança. Nomeadamente, elas ocultam automaticamente a identificação de pessoas. As imagens não são gravadas e não podem ser usadas como prova. Foram um investimento municipal e estão controladas pelo Centro de Gestão Integrada da Câmara do Porto", referiu o autarca há nove meses.
"Querendo, pode a PSP e qualquer outra instituição de segurança ou investigação requerer esse meio. Estamos prontos a ceder. Está à distância de um clique e custa zero ao Estado Português. Foi investimento municipal", assinalou ainda Rui Moreira.