19/07/2021

O Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota acolheu o II Encontro de Gestores de Entrada dos bairros municipais da cidade, no último sábado, no âmbito do programa municipal Condomus.


Dividido em duas sessões (manhã e tarde), e com igual programa para os dois grupos distintos participantes, o encontro teve como objetivo partilhar boas práticas e promover o debate e reflexão em torno da função e serviço voluntário do gestor de entrada.


Ambas as sessões contaram com a participação do presidente da Câmara do Porto e do vereador com o pelouro da Habitação e Coesão Social, Fernando Paulo, bem como da vice-presidente do Conselho de Administração da empresa municipal Domus Social, Filipa Melo, do administrador João Sendim, e da professora do Instituto de Mediação da Universidade Lusófona do Porto, Elisabete Pinto da Costa, que fez uma reflexão sobre a “mediação de conflitos”.


Na sua intervenção, o presidente da Câmara do Porto agradeceu a disponibilidade e esforço dos voluntários que aceitaram assumir esta função e que, através do seu trabalho e participação cívica, procuram “assegurar que as pessoas se sintam bem e que o lugar onde habitam é tranquilo, está asseado e limpo”.


Rui Moreira lembrou todo o investimento que o Município tem feito em matéria de reabilitação física dos edifícios municipais onde residem, atualmente, 30 mil pessoas com renda apoiada.


“Este é o maior investimento de sempre da Câmara do Porto em grandes obras de requalificação e manutenção de habitação social e na promoção de melhores condições de vida dos inquilinos municipais e que tem registado, igualmente, as melhores taxas de execução de sempre”, disse.


O presidente da autarquia portuense sublinhou, ainda, o trabalho desenvolvido através de outros programas, especialmente no contexto pandémico que veio agravar dificuldades já existentes. Exemplo disso são o programa municipal de apoio ao arrendamento – Porto Solidário - que beneficia, presentemente, mais de 1.250 famílias e para o qual foi disponibilizado 3 milhões de euros, o arrendamento acessível, quer através do programa “Porto Sentido”, da requalificação das casas do património, mas também com os projetos em curso em Lordelo, Monte Pedral e Monte da Bela.


“Sabem, também, o investimento que temos feito no “Cultura em Expansão”, no programa “Desporto no Bairro”, no apoio às escolas e aos vossos filhos, no apoio ao associativismo, no apoio aos idosos através do Programa “Porto Importa-se” ou “Chave de Afetos”, entre tantas medidas que contribuem para uma cidade mais igual e mais coesa”, sublinhou Rui Moreira.


Mais de 970 entradas dispõem da figura do gestor de entrada.


O Programa Condomus, dinamizado pela Domus Social, desde 2008, está atualmente implementado em 44 conjuntos habitacionais, registando 978 entradas organizadas e com gestores de entrada eleitos.


Tem como objetivo mobilizar e responsabilizar os inquilinos para zelar e cuidar do lugar onde habitam, através da implementação de um modelo de gestão e administração dos espaços comuns nos prédios municipais.


O gestor de entrada para além de representar os moradores, é um interlocutor entre os pares e as diversas instituições, nomeadamente com a Domus Social, que criou um canal de comunicação mais direto para a resolução dos diversos problemas que vão surgindo.


O Município tem, ainda, vindo a desenvolver ações de capacitação em diversas áreas especialmente dirigidas aos gestores de entrada no âmbito do AIIA Porto - Programa Integrado de Inovação e Experimentação Social e de Animação Territorial do Porto.

Galeria
Item 1 de 15