Don´t try this at home - Arte urbana
13-07-2017

Quis o destino que Hazul voltasse à casa de partida, ao bloco O do bairro do Carvalhido, onde habitou.

Muitos dos seus antigos vizinhos não faziam ideia da sua dedicação à arte urbana e manifestam-se supresos mas felizes com o sucesso.

Na sequência da intervenção artística no Bairro do Carvalhido, fizemos algumas questões ao artista para podermos perceber melhor o fenómeno do graffiti:


Como gosta que se refiram à sua arte, graffiti ou arte urbana?


"Arte urbana, porque torna mais fácil a comunicação com a população."


Qual a diferença entre arte e poluição visual?


"Depende do observador e da sensibilidade. Eu tenho um filtro bastante largo e consigo valorizar as diferentes intervenções. Às vezes pelo facto de ser ilegal já se considera poluição. No entanto, podemos ter uma boa obra em território não habilitado legalmente para o efeito. Fenómeno diferente é o da simples marcação de local que não é feito para acrescentar valor."


Que conselhos para os jovens que se interessam por arte urbana?


"Se realmente gostam, que sejam pacientes e persistentes. É um processo contínuo e evolutivo até que os outros comecem a reparar.  Devem ter consciência do que se faz, do que é o espaço público e onde a obra deve estar."